» TUB - Transportes Urbanos de Braga
   

A existência de um meio de transporte colectivo e público em Braga, remonta a 1882; o Elevador do Bom Jesus entrara ao serviço, assim como se davam os retoques finais para a criação de uma linha de caminho de ferro a vapor que ligava o centro da cidade ao dito sistema.
Se em 1882, muitas cidades ainda não equacionavam a criação de um sistema de transportes;
Braga foi desde sempre pioneira da concepção de melhoramentos à mobilidade urbana. A sua história vai desde o caminho-de-ferro a vapor até aos autocarros a gás natural; passando pelos autocarros a diesel, carros eléctricos e os carismáticos troleicarros.

Entre as primeiras experiências e os dias de hoje, os Transportes Urbanos de Braga passaram por diversas fases. Até 31 de Janeiro de 1967 era o Município Bracarense quem tutelava a empresa, sendo que nesta data foi fundada a SOTUBE em Guimarães. Quinze anos depois a empresa voltava a ser tutelada pela Câmara, coincidindo com a transferência das instalações para a Quinta de Santa Maria devido ao rápido desenvolvimento da empresa e a consequente falta de espaço. Local onde hoje permanece.




1882Ocorrem as primeiras experiências de ligação do centro da cidade ao elevador do Bom Jesus através de um caminho-de-ferro urbano movido a vapor
1914Como forma a responder ao aumento exponencial da cidade; foi adoptada a instalação de carros eléctricos na cidade; prevalecendo em simultâneo com os de tracção a vapor.
1948Nesta altura já a cidade tinha crescido além da “viação eléctrica” e era necessário dotá-la de transportes públicos. Foram adquiridos alguns autocarros; sendo assim uma das primeiras cidades Portuguesas a dispor de idêntico meio de transporte.
1961Com o intuito de reformar os carros eléctricos e a degradação acentuada deste sistema; foram adquiridos na Alemanha um conjunto de 9 troleicarros usados que circularam entre 28 de Maio de 1963 e 9 de Setembro de 1979. O carro-torre foi vendido a Coimbra, onde ainda hoje permanece embora não faça parte da frota activa dos SMTUC.
1999 Ano de mudança para os então criados TUB, EM – Transportes Urbanos de Braga, E.M. (empresa municipal). A definição de uma nova estratégia, estrutura organizacional e recursos humanos são uma das metas da nova empresa
2000Braga é a primeira cidade do País a receber autocarros movidos a gás natural. Com chassis MAN NL233 CNG e equipados com carroçaria CaetanoBus City Gold permitiram abater algumas unidades obsoletas e menos ecológicas. Os TUB dão assim o primeiro passo para a melhoria das condições ambientais na área dos transportes. Hoje o parque nacional de viaturas pesadas a Gás Natural ascende a cerca de 250 unidades distribuídas por várias empresas, com maior incidência na STCP (com cerca de 200).
2003Em 2003 dá-se o efectivo reconhecimento de todo o esforço desenvolvido. Desde a criação de novos abrigos, postos de venda até ao redesenho da rede com a criação de circuitos urbanos e turísticos culminam com a atribuição do Certificado de Qualidade NP EN ISO 9001:9002.




É inegável o esforço dos TUB na sua adaptação às novas rotinas dos Bracarenses assim como a melhoria da qualidade dos seus serviços. Contudo, há que atender que certas medidas que esta empresa desenvolve só são possíveis graças à incorporação do Estado como accionista na empresa ou quando inserida numa eficaz politica governamental de incentivo às transportadoras. O cariz social assume um patamar demasiado grande que dificulta a rentabilidade da empresa. Por vezes, os resultados operacionais de algumas transportadoras são associados a má gestão; contudo muitas vezes esquece-se que há horários em que os autocarros andam vazios, circuitos cujo tráfego é reduzido, zonas onde os corredores BUS tardam e
m chegar e fazem aumentar o número de veículos necessários para cumprir o serviço, mas há uma necessidade enorme em fazer chegar um meio económico, confortável e fiável de transporte do centro até esses locais. Esta tem sido uma meta cada vez mais importante na gestão dos TUB e que sem qualquer duvida, tem cumprido na perfeição.



Os T.U.B. dispõem de uma especializada e dedicada secção de manutenção que periodicamente analisa todas as viaturas e as adapta aos padrões indispensáveis para a correcta prestação do serviço.
A idade média da frota situa-se nos 12 anos (ver tabela seguinte sobre a frota), contudo, a frota de veículos a gás natural representa mais de 10% do seu parque, fazendo igualmente parte do parque dos TUB um conjunto de 6 veículos híbridos adquiridos em 2002. Com estes veículos consegue-se não só uma redução dos índices de poluição ambiental assim como uma poupança no combustível e manutenção.





  Marca/Modelo Ano de entrada ao serviço Nº unidades
   
 Magirus Iveco - STD
 198121
 Magirus (automático) 
 198218
  Volvo B10R 1980/199124
Volvo B10M Articulado 1983/1991
13
 Renault 19945
 Mercedes O405 19964
 MAN NL233 CNG 2000/200216
  Mercedes Cito O520 20026
 MAN 12.220 HOCL NL 20035

- Frota dos T.U.B por modelos




Principais indicadores da Empresa:


Dimensão da Rede - 224 Kms
Área Servida - 62 Freguesias
Quilómetros Percorridos - 4.570.000
Passageiros Transportados - 22.556.000
Nº Veículos - 112



Numa análise mais completa ao Relatório e Contas (2004) concluímos que cerca de 60% da receita é obtida através dos Passes Sociais. Este facto aliado à necessidade de prestar um verdadeiro e completo serviço social provoca desequilíbrios financeiros.

A ocupação média dos veículos situou-se (2004) nos 23,8%, sendo que a velocidade comercial foi da ordem dos 20 Km/h. O decréscimo na procura, associado a uma cada vez mais taxa de automóveis/habitante penalizam gravemente o desenvolvimento e a melhoria dos serviços por parte dos operadores; facto sentido em todas as empresas, com particular incidências nas que prestam serviço urbano em grandes cidades.
A taxa de imobilização situa-se apenas nos 6 pontos percentuais (tendo em conta que a frota ultrapassa pouco as 100 unidades) e cujo valor tem vindo gradualmente a descer, em virtude da renovação da frota e do seguimento de um elaborado trabalho desenvolvido pela Direcção de Manutenção e Planeamento.



Serviço Social

Uma área que merece destaque pela sua importância e pelo facto de não ser prática muito comum nas empresas, são as bonificações nos Passes Sociais.

  Bonificação Nº Títulos
 
  
 Reformado e Terceira Idade 75 %  76.831
 Jovem Munícipe 25 % 4.037
 Estudante 25 a 100 %
 92.860
 Deficientes e Acompanhantes 100 %
387 


Neste contexto foi atribuído um subsidio à exploração de 2.571.000 €, que embora representa um esforço da Câmara no equilíbrio das contas e esteja contemplado na parcela de "Prestação de serviços", não é suficiente para cobrir os custos com o tipo de serviço efectuado.





Circuitos Urbanos e Universitário



Desde Outubro de 1998 que os TUB dispõe de um circuito que interliga o centro de Braga ao pólo universitário. Esta linha nasceu da estreita colaboração entre a empresa e a Universidade do Minho e tem como objectivo transportar, em exclusivo, estudantes e funcionários da Universidade do Minho.
A 4 de Maio de 2000 dava-se início à exploração de dois circuitos urbanos, concebidos de forma a proporcionar transporte à população residente nas urbanizações desprovidas, até então de autocarros.



Por Leandro Ferreira e Diana Pereira
Actualizado em Fevereiro de 2006

   Login

User
Password
Relembrar Login
 
» Registe-se aqui !

   Pesquisa

Pesquisa avançada
   Sabia que...?

As primeiras carreiras de autocarros da STCP, nos anos 50, eram identificadas com letras, e não com algarismos como acontece actualmente?

   Foto aleatória


© 2004-2014 Transportes XXI — Transportes & Mobilidade, todos os direitos reservados.
Os conteúdos presentes neste portal são da exclusiva responsablidade dos seus autores.
Acerca do Transportes-XXIMapa do portalContacto
desenvolvimento
desenvolvido por AlojamentoVivo