» O Ramal de Évora no ano 2005 - Um ramal adormecido

 

 

A história do ramal de Évora começa ainda no século XIX, em 3 de Janeiro de 1860, com a assinatura do contrato entre o Governo e a Companhia dos Caminhos de Ferro do Sueste para a construção do troço de Vendas Novas a Beja e Évora. Depois de concluídas as obras desta linha, foi possível abrir-se a linha a partir de Vendas Novas para Beja, com saída para Évora na localidade de Casa Branca. Na altura, este troço tinha o estatuto de linha, pois fazia parte do extenso plano criação de uma rede de caminhos de ferro com centro em Évora, a famosa Estrela de Évora, que seria também ela o centro de distribuição de várias linhas no Alentejo, e onde se incluía também parte da “Linha do Guadiana”.

 

A estação de Casa Branca, onde se inicia o Ramal de Évora

Estação de Casa Branca e as suas plataformas de embarque

Uma Draisine da REFER estacionada em Casa Branca

 

De Évora saíam as linhas para Mora, Reguengos de Monsaraz, Estremoz, Vila Viçosa e Portalegre, sem esquecer Casa Branca. A linha de Évora conheceu nesses tempos o seu apogeu. Esta linha teve um desempenho notável durante a Guerra Civil Espanhola uma vez que permitia, por um lado às tropas portuguesas apoiarem os vizinhos espanhóis, mas também acabou por fazer com que muitas pessoas abandonassem as suas vidas nas aldeias da Raia, fugindo à guerra, ao contrabando e à constante instabilidade que a Fronteira Espanhola representava.


Já no século XX, com o virar dos anos 90, veio a penumbra. Um enorme plano de encerramento de linhas com poucos passageiros, ditou o fecho das linhas para Mora, Vila Viçosa e Portalegre, ficando Évora servida apenas com a linha em direcção a Casa Branca, agora classificada como “Ramal de Évora” e pela linha de Estremoz, ligação de Évora com a linha do leste, por Portalegre e que se encontra hoje em péssimas condições de conservação.

 

Uma automotora Nohab parqueada em Casa Branca

Primeira estação, hoje em dia desactivada... Tojal!

Comboio de mercadorias vindo de Estremoz, cruza no Tojal com um comboio de passageiros


Sem conhecer qualquer operação de renovação total, a linha de Évora encontra-se hoje a um pequeno passo de voltar a ganhar a importância que já teve. A sua renovação total, agendada há anos, entra agora na fase de concretização. Alguma maquinaria pesada já faz terraplagens, o encerramento temporário tem data marcada, e o material de obras começa a chegar ao local.

 

O ramal de Évora tem pouco mais de 26 quilómetros. Apesar de curto, as circulações mais rápidas no ramal levam mais de 30 minutos para cumprir a distância que separa Évora de Casa Branca. As velocidades estavam, no momento do encerramento para obras, limitadas a 50 km/h para todo o tipo de circulações. Não há muito antes, as automotoras estavam autorizadas a 60 km/h, situação que acabou por ser desaconselhada devido ao estado da via, que recomendava neste momento um limite mais severo.

 

Estação de Monte das Flores, também ela desactivada

Pedreira de Monte das Flores, origem para alguns comboios de balastro

Chegada a Évora de um comboio regional, assegurado por uma Nohab


Quase todas as circulações de passageiros do ramal eram ainda asseguradas pelas vetustas automotoras Nohab da série 0100, entradas ao serviço em 1948 e renovadas na década de 80. Apesar de sofrerem, e muito, com a idade, foram mesmo estas automotoras a percorrer os últimos quilómetros no ramal de Évora, tal como o conhecemos até ao dia 9 de Fevereiro. Há ainda a assinalar que desde Outubro de 2005, as automotoras Allan da série 0350, modernizadas em 1999 e com ar condicionado, asseguraram alguns serviços neste ramal. As circulações de mercadorias, pouco numerosas, limitavam-se a alguns comboios irregulares de balastro proveniente de Monte das Flores (entre Casa Branca e Évora), e ao comboio diário de cimento entre Praias do Sado e Estremoz.


Prevê-se que o futuro reserve dias radiantes para esta linha. Após a renovação, é de esperar que todo o ramal fique apto a uma velocidade não inferior a 160 km/h. Além do mais, a renovação deverá equipar o ramal com travessas de tripla fixação, que é como quem diz, preparadas para receberem três carris, para desta forma se assegurar a exploração em via larga, de bitola ibérica (1.668 mm), e em via standard, de bitola europeia (1.435 mm). A via europeia será útil no contexto da linha Sines – Badajoz transformada num corredor europeu de mercadorias. A electrificação, não prevista desde o início, deverá ser uma realidade com o avanço das obras para a concretização do objectivo do corredor europeu de mercadorias.

 

Edifício de Passageiros da estação de Évora

Torre de Água de Évora, um símbolo do tempo do vapor

Duas automotoras Nohab, de fabrico sueco, em Évora


Como se pode ver, o ramal de Évora, apesar de amputado de várias das suas linhas afluentes, terá um futuro como artéria de primeira importância, servindo a cidade de Évora com a qualidade que se exige no século XXI, e servindo para o transporte de mercadorias entre Portugal e o resto da Europa. Não será um ramal tão rústico e museológico como é hoje, mas só temos que nos congratular com o reconhecimento da sua importância vital através das obras de renovação que se espera que comecem muito em breve.

 

Automotora da série 0100 a reabastecer-se de combustível, em Évora

Linha para Estremoz, à esquerda, e para Reguengos, à direita e já desactivada

Comboio Estremoz - Praias Sado, à entrada de Évora


Texto e fotos de João Cunha
Última actualização: Fevereiro de 2006
   Login

User
Password
Relembrar Login
 
» Registe-se aqui !

   Pesquisa

Pesquisa avançada
   Sabia que...?

A Valpi foi a primeira empresa a importar Mercedes-Benz O405N?

   Foto aleatória


© 2004-2014 Transportes XXI — Transportes & Mobilidade, todos os direitos reservados.
Os conteúdos presentes neste portal são da exclusiva responsablidade dos seus autores.
Acerca do Transportes-XXIMapa do portalContacto
desenvolvimento
desenvolvido por AlojamentoVivo